Saiba qual a luva de segurança correta para cada risco

Para estar dentro da lei e promover segurança no ambiente de trabalho, é importante que empregados e empregadores estejam cientes em relação aos riscos de sua atividade. No caso dos ambientes de trabalho como indústrias, açougues, plataformas de petróleo, construção civil, jardinagem etc, há vários riscos aos quais as mãos ficam expostas.  Eles podem ser de origem química, de cortes ou de queimaduras, abrasão.

Por conta disso, é importante avaliar o risco inerente a cada tarefa, e assim selecionar uma luva que exerça uma proteção especializada, haja vista que esta é uma regra de segurança, estabelecida pela NR-6, no tocante às exigências para o fornecimento e treinamento do EPI, que toda empresa deve oferecer aos seus funcionários.

Para a proteção das mãos, selecionamos abaixo uma lista de luvas e a apropriada aplicação para cada uma delas:

Luvas de algodão e tecido – Mantém as mãos limpas e seguras de abrasões, mas pode não ser forte suficiente para se lidar com materiais pontudos ou ásperos.

Luvas de tecido revestidas – Fornece proteção contra alguns produtos químicos de moderada concentração. Elas podem ser usadas em trabalho de laboratório visto que são suficientemente fortes para proteger contra produtos químicos específicos com que se estiver trabalhando

Luvas de borracha, plástica ou de material sintético – Podem ser usadas em trabalho de limpeza ou com óleos, solventes e outros químicos.

Luvas de Couro – Podem ser usadas para solda, visto que o couro pode resistir a faíscas e calor moderado. O risco de cortes ou abrasões também pode ser minimizado com este tipo de luva.

Luvas aluminizadas – Recomendadas para soldagem, alto forno e fundições visto que elas fornecem proteção refletiva e isolamento.

Luvas de fibra – Luvas para uma ampla variedade de aplicações industriais. Elas são resistentes a corte e abrasão e fornece proteção para ambos, calor e frio

Luvas resistentes a produtos químicos e líquidos -  Há vários tipos de luvas podem proteger contra produtos químicos específicos: -luvas de borracha butílica: ácido nítrico, ácido sulfúrico, acido e peróxido hidroclorídico; -luvas de látex ou borracha: soluções líquidas ou ácidas, álcalis, sais e cetonas; -luvas de neoprene: fluidos hidráulicos, gasolina, álcool e ácidos orgânicos; Luvas de borracha nitrílica: solventes clorados

Para saber mais sobre a melhor luva para sua atividade, entre em contato com nossos técnicos. Fale com nosso atendimento pelo: (+55 41) 3301.8070

Fonte/Adaptação: http://rvchudo.blogspot.com.br/2012/06/nr-6-epi-seguranca-das-maos-usando-luva.html

 

Nenhum comentário.

Autoestima para viver melhor

Autoestima é uma palavra falada o tempo todo, todos os dias. Segundo os dicionários, trata-se da qualidade de quem se valoriza, que se contenta com seu modo de ser e demonstra, consequentemente, confiança em seus atos e julgamentos.

Desta forma, ela acaba sendo essencial para as pessoas lidarem com as atribuições do dia a dia, mantendo-se confiante e seguro no momento de tomar decisões e emitir opiniões.

Essa qualidade é importante em todos os aspectos da vida, no entanto, no trabalho ela é ressaltada. Especialistas apontam que muitos dos transtornos no ambiente laboral acontecem por causa da baixa autoestima dos colaboradores. Entre os mais comuns estão: desavenças, invejas, ciúmes, fofocas e insatisfações, que tendem a atrapalhar a todos e impactam no  próprio desempenho da empresa.

Segundo estudos, quando o profissional está com sua autoestima equilibrada não se sente ameaçado com os talentos de seus colegas de trabalho e nem com inveja do brilho dos outros, porque sabe que também é capaz de crescer e vencer.

Confira algumas dicas para aumentar a autoestima:

  • Aumente as sua autoconfiança.  Isso constrói a sua identidade e é uma das competências mais importantes na vida de um ser humano. Sem esse sentimento, somos incapazes de realizar nossos sonhos e construir o caminho para o alcance de nossos objetivos.
  • Amplie sua zona de conforto. Isso significa que você deve ter a mente aberta para experimentar coisas novas diariamente, mesmo diante daquelas atividades que parecem difíceis ou chatas. Saia da comodidade e vá enfrentar o mundo.
  • Seja positivo.  Mesmo quando a situação parece não ter soluções, é essencial exercitar a positividade. Tenha bons pensamentos e também boas ações. Essas ações nos levam à persistência, pois mesmo se algo der errado, o ser autoconfiante não se deixará abalar e continuar a trilhar o rumo para o seu sucesso.
  • Assuma a responsabilidade da sua vida.  A sua vida está em suas mãos, por isso, evite, ao máximo, abrir mão de algo que é importante para você.

Nenhum comentário.

Causas dos acidentes de trabalho

De acordo com especialistas, são várias as causas que ocasionam os acidentes de trabalho no país, entre eles está o comportamento de risco do colaborador, ou seja, atos, atitudes e ações cotidianas que abrangem o comportamento de cada indivíduo dentro de uma situação, especialmente no ambiente laboral.  São ações podem gerar incidentes ou mesmo graves acidentes, colocando em risco a saúde e integridade física dos trabalhadores, aumentando assim os alarmantes números de acidentes de trabalho registrados no Brasil.

É importante saber que cada ramo de atividade possui seus comportamentos de riscos mais comuns, que levam a acidentes em diversos níveis, do simples ao gravíssimo.  Por isso, estar atento aos comportamentos de riscos mais comuns a todos os tipos de atividades, pode ajudar na prevenção. Conheça quais são eles:

  • Não utilizar os EPIs obrigatórios;
  • Remover os EPCs das máquinas;
  • Brincadeiras de mau gosto dentro do ambiente de trabalho;
  • Utilização de ferramentas gastas ou que promovem perigo ao trabalhador no desenvolvimento das atividades;
  • Desatenção ou ritmo acelerado de trabalho;
  • Burlar a segurança das máquinas (por exemplo: burlar o sistema bi-manual para “facilitar o trabalho”);
  • Se sentir muito seguro e subestimar as normas de segurança;
  • Criar ferramentas de trabalho ou outros equipamentos (exemplo: andaimes de madeira, pranchas, etc);
  • Operar máquinas ou ferramentas sem estar autorizado e capacitado (exemplo: empilhadeiras, manutenções elétricas, etc);
  • Transportar peso acima de sua capacidade;
  •  Levantar peso de forma errada;
  • Fazer ultrapassagem em local proibido;
  • Não utilizar cinto de segurança (inclusive em veículos);
  • Dirigir em alta velocidade;
  • Sentir-se sempre seguro e que domina todos os conhecimentos sobre as máquinas, ferramentas ou equipamentos e que, portanto, não precisa de atenção ou proteção.

Após essas dicas, lembre-se que os números Organização Internacional do Trabalho (OIT), que colocam o Brasil na quarta posição entre os países onde ocorre mais acidente de trabalho, só irá diminuir se todos agirem em prol da vida. Em sua empresa você pode contar com a orientação do Técnico de Segurança e aos demais profissionais do SESMT e da Administração identificar e acompanhar as situações de riscos em que os trabalhadores se expõem, conscientizando-os e orientando-os sobre o tema.

Nenhum comentário.